Hydrotec liso

Painéis Piral HD Hydrotec liso

Requisitos
> Alta higiene e qualidade do ar;
> Facilidade de limpeza;
> Facilidade de manutenção.
Aplicações
> Hospitais;
> Laboratórios;
> Indústrias alimentares e farmacêuticas.

 Painel Piral HD Hydrotec liso - espessura 20,5 mm.
Alumínio: texturado/liso 80μm/80μm
 Painel Piral HD Hydrotec liso - espessura 20,5 mm.
Alumínio: texturado/liso 200μm/200μm
Especificação: espessura de 200μm da folha interior confere uma resistência contra danos potenciais durante a fase de manutenção e limpeza interna.
A espessura de 200μm do alumínio externo confere resistência aos choques acidentais se visíveis.
 Painel Piral HD Hydrotec liso - espessura 20,5 mm.
Alumínio: texturado/liso 80μm/200μm
Especificação: a espessura de 200μm da folha interna de alumínio confere uma
resistência máxima aos danos potenciais
durante a fase de manutenção e limpeza interna.
 
 
Painel Piral HD Hydrotec liso - espessura 30,5 mm.
Alumínio: texturado/texturado 80μm /80μm
Especificação: a espessura de 30,5 mm da espuma confere certa resistência ao painel tornando-o adequado para a
realização de sistemas de condutas de grandes dimensões, reduzindo também os reforços.
 Painel Piral HD Hydrotec liso - espessura 20,5 mm.
Alumínio: texturado/liso 200μm/80μm
Especificação: a espessura de 200μm do alumínio externo confere certa resistência que protege a conduta de choques acidentais se visíveis (ex. corredor técnico).

As condutas de termoventilação e condicionamento em pré-isolados de alumínio serão realizadas com painéis
sanduíche eco-compatíveis PIRAL HD HYDROTEC LISO com as seguintes características:


Painel com espessura de 20,5 mm;
Alumínio externo: espessura 0,08 mm texturado revestido com poliéster;
Alumínio interno: espessura 0,08 mm liso revestido com poliéster;
Condutividade térmica inicial: 0,022 W/(m ºC) aos 10 ºC;
Componente isolante: poliuretano expandido a água sem uso de gases de efeito estufa (CFC, HCFC, HFC) e hidrocarbonetos (HC);
Densidade isolante: 50-54 kg/m3;
Expansor do isolante: ODP (potencial de depleção de ozono) = 0 e GWP  (potencial de efeito estufa) = 0;
Eco-sustentabilidade: Estudo LCA (Life Cycle Assessment);
% células fechadas: > 95% conforme ISO 4590;
Classe de rigidez: R 200.000 conforme UNI EN 13403;
Reacção ao fogo: classe 0-1 conforme D.M. 26/06/84;
Reacção ao fogo: classe B conforme EN 13501-1;
Toxicidade e opacidade do fumo de combustão: classe F1 conforme NF F 16-101;
Toxicidade dos fumos de combustão: FED e FEC < 0,3
conforme prEN 50399-2-1/1.

As condutas deverão responder às características de comportamento ao fogo previstas pelo D.M. 31-03-03 e pela
norma ISO 9705 (Room Corner Test). As condutas serão construídas com base os padrões do P3ductal e em
conformidade com a norma UNI EN 13403.


Especificações técnicas

 REFORÇOS

Onde necessário, as condutas serão dotadas de reforços especiais para garantir, durante o exercício, a resistência mecânica. O cálculo dos referidos reforços será efectuado de acordo com as tabelas do produtor. A deformação máxima dos lados do tubo não deverá superar 3% ou 30 mm, conforme previsto pela UNI EN 13403.

FLANGES

As junções entre os segmentos individuais da conduta serão realizadas por meio de flanges do tipo “invisível” com perfis de encaixe incorporado e garantirão um desempenho pneumático e mecânico adequado de acordo com o previsto pela norma UNI EN 13403. O comprimento máximo de qualquer segmento individual da conduta será de 4 metros.

DEFLECTORES

Todas as curvas de ângulo recto deverão possuir os devidos deflectores direccionais; as curvas de grandes dimensões para a ligação circular serão dotadas de deflectores conforme previsto pela norma UNI EN 1505.

SUSTENTAÇÃO

As condutas serão sustentadas por apoios especiais com intervalos de até 4 metros se o lado maior do tubo for inferior a 1 metro, e com intervalos de até 2 metros se o lado maior do tubo for superior a 1 metro. Acessórios tais como obturadores de calibragem, obturadores contra o alastramento de incêndio, difusores, baterias em conduta, etc; serão sustentados de forma autónoma de forma que o seu peso não afecte as condutas.

INSPECÇÃO

As condutas serão dotadas de pontos de controlo especiais para as sondas anemométricas e de postigos para a inspecção e limpeza distribuídos ao longo das condutas conforme previsto pela norma EN 12097 pelas “Directrizes publicadas no Diário Oficial (G.U.) de 3/11/2006 sobre a manutenção de instalações aeráulicas”. Os postigos poderão ser realizados a partir do próprio painel que forma a conduta, em combinação com os perfis especiais. Os postigos serão dotados de um suporte para assegurar o desempenho pneumático solicitado. Alternativamente, os postigos de inspecção P3ductal poderão ser utilizados directamente.

LIGAÇÕES ÀS UTAS

As ligações entre as unidades de tratamento do ar (UTA) e as condutas serão realizadas por meio de armações anti-vibratórias especiais, com o objectivo de isolar as vibrações. As condutas serão apoiadas autonomamente para evitar que o peso da própria conduta seja transferido para as ligações flexíveis. A ligação com a unidade de tratamento de ar tornará possível o acesso para a manutenção da instalação. Se as juntas anti-vibração forem colocadas externamente, estas serão impermeáveis à água.



DGAE IAPMEI MEI QREN